Uso de palha de café como adubo é altamente rentavel

Palha de café é um exelente aduboCafeicultores conseguem reduzir os gastos com adubo químico – o insumo que mais vem pesando no custo de produção de várias culturas – utilizando no solo a casca do café, resíduo rico em nutrientes como nitrogênio e potássio. Nas fazendas do grupo Ipanema Coffees, em Alfenas (MG), por exemplo, as cerca de 120 mil toneladas de café produzidas geram 10 mil toneladas de palha de café (seca e molhada) por ano.

Conforme o diretor de Mercado Externo do grupo, Edgard Bressani, tudo é aproveitado. Os 60% de casca molhada viram adubo nas lavouras de café. “O material, rico em potássio, aduba as áreas novas, que ainda não estão produzindo, e também os cafezais recém-podados”, explica.

Dependendo da necessidade do solo, afirma, só as cascas dão conta da adubação necessária. O aproveitamento da casca gera economia de 10% nos custos com fertilizante. “Economizamos R$ 500 mil no ano passado.”

O restante, 4 mil toneladas de palha seca (o pergaminho, que sobra do café secado com casca), era vendido para um projeto de bioenergia. Mas esse material também vai começar a ser aproveitado na própria fazenda. “O poder calorífico dessa palha é de 4.200 quilos/caloria por quilo. Já o da lenha do eucalipto, que usamos hoje, é de 4.500 quilos/caloria. É muito próximo”, diz.

“Estamos adaptando as caldeiras e as fornalhas e na safra que vem já vamos começar a usar essa palha como energia.” Dos 4.200 metros cúbicos de lenha que o grupo gasta por ano, Bressani acredita que economizará mil metros cúbicos com a palha seca.

Vale lembrar que a lesgislação vigente no Estado do Espirito Santo não permite a queima da palha para secagem do café(Instrução Normativa nº06 de maio de 2008,Art 8º ,inciso III alinea C.)o que torna a utilização da palha como adubo a melhor opção para o produtor.

ANÁLISE DE SOLO E DE ÁGUA

O agrônomo Marcelo de Freitas Ribeiro, pesquisador da Epamig, concorda que a casca do café seja excelente alternativa para reduzir gastos com adubo. Mas, antes, é preciso fazer uma análise de solo e também da água residuária, no caso da casca molhada, para aplicar a quantidade correta. “O processo é semelhante ao de uma aplicação de adubo comum e deve ser feito com critério”, diz Ribeiro.

Segundo ele, além do uso como adubo, a casca do café é tão rica em nutrientes que já existem pesquisas para aproveitamento na alimentação animal e na produção de álcool. “Já há fazendas que recirculam várias vezes a água do despolpamento, para economizar. Com isso, o brix (teor de sacarose) da água vai aumentando. Mas ainda são pesquisas.”

O Estado de São Paulo

Sobre Roberto Dias Ribeiro

Idealizador do portal Agro-Capixaba, diretor comercial e sócio fundador.Formado em Gestão em Agronegocio pela FAESA,com especialização em Gestão Ambiental atualmente exerce o cargo de Secretário de Agricultura e Meio Ambiente da Prefeitura de Santa Leopoldina-ES.
Esta entrada foi publicada em Agricultura, Agronegócio, Café, Home e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.