Um pouco da cadeia produtiva de flores do Espirito Santo

FloresO cultivo de flores e plantas ornamentais no Brasil vem tendo expressivo desenvolvimento nos últimos anos. No Espírito Santo já contamos com produção em 14 Municípios, que ainda é insuficiente para atender o consumo local sendo importada cerca de 80% das flores e planta ornamentais necessárias para seu mercado. Na produção atual destaca-se a região Serrana com 58,8 ha plantados. No presente trabalho apresentamos as principais números do setor, à níveis Nacionais, Estaduais e Municipais e suas políticas especificas e demais atores, além do perfil de nossos potenciais produtores no Estado, criando condições para definirmos a viabilidade da criação na região Serrana do Espírito Santo de um Arranjo Produtivo Local (APL) para o setor do Cultivo de Flores e Plantas Ornamentais, utilizando as ações promovidas desde o ano de 2003, através da participação dos produtores rurais, governos Municipais e Estadual e outras entidades. Destacamos também a participação do Município de Santa Leopoldina nestas atividades com suas demandas e potencialidades.

ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

FloresOs Arranjos Produtivos Locais (APLs) surgiram nos últimos anos como uma nova ferramenta para o desenvolvimento em países de todo mundo. Com nomes e formas diferentes, envolvendo diversos tipos de produções e prestações de serviços e atividades rurais, tornando-se difícil de conceituar. Os APLs nas regiões em que foram implantados funcionam como uma nova filosofia de desenvolvimento, baseados principalmente na cooperação, em interesses comuns, de uma política buscando o dialogo e na união de forças.

Para o surgimento dos APLs torna-se necessária a principio, a existência dos aglomerados de empresas ou de produtores com similaridades em uma mesma cadeia produtiva. A concentração geográfica dos produtores e seus correlatos são fatores importantes para a caracterização dos APLs, podendo estar num município ou em municípios limítrofes. Mais importante que esta proximidade é o espírito de cooperação entre os agentes envolvidos, para que os arranjos tragam um diferencial de simples aglomerados. Os pequenos e médios produtores vem a ser os principais atores envolvidos na constituição dos APLs, já que os grandes produtores possuem toda a estrutura financeira para alavancar suas estruturas, inclusive importando mão de obra e a capacitação necessárias no seu desenvolvimento. A cooperação entre o pequeno e médio produtor facilitam a formação de mão de obra, desenvolvendo novas tecnologias facilitando a implementação de novas variáveis necessárias a distribuição e comercialização da produção, divisão das tarefas relativas a pesquisa de mercado, marketing e técnicas de mercado e produção.

O envolvimento dos atores na renovação de suas atividades com realinhamento de ações faz com que as APLs mantenham-se sempre competitivas. A participação do Poder Publico e entidades correlatas, na gestão dos APLs, passa por apoiar as entidades representativas dos participantes, com o uso dos recursos públicos nas atividades cooperativas e de bens públicos necessários á sua efetivação.

Atualmente, milhares de pequenos negócios servem de base para este novo modelo econômico em implantação no pais que se dirigidos de forma correta podem render grandes arranjos produtivos. Nos últimos quatro anos um conjunto de políticas industriais e agrícolas seletivas focada nestes arranjos produtivos locais, combinados com o controle da inflação, expansão do credito, aumento de transferências sociais, redução na taxa de juros e aumento de renda dos trabalhadores, exerceu uma mudança considerável no desenvolvimento de muitos pequenos municípios brasileiros .Dentre os vários parceiros dos arranjos produtivos podemos citar o SEBRAE, o Banco Interamericano e a Promos (agencia de promoção de negócios da Câmara de Comercio de Milão)

A atuação do Governo Federal nos Arranjos Produtivos Locais é uma das estratégias para o desenvolvimento econômico e social, segundo o documento “Diretrizes da Política Industrial, Tecnológica e de \comercio Exterior” de 26 de novembro de 2003. No plano Plurianual de investimentos para o período de 2004-2007 sob coordenação do Ministério de desenvolvimento, Industria e Comercio Exterior consta o Programa Arranjos Produtivos Locais. A gestão deste programa contempla vários ministérios, seus órgão vinculados, bancos oficiais e outras instituições de natureza pública e privada. O programa tem como objetivo principal promover a competitividade e a sustentabilidade dos locais onde os APLs estão inseridos, estimulando processos locais de desenvolvimento. Sua implementação busca integrar instrumentos públicos e privados que contem sieis dimensões de atuação de acordo com a atribuição de cada agente a saber: aproveitamento das externalidades positivas para o desenvolvimento regional, incentivo à organização de redes de empresas, capacitação de empresários e trabalhadores, inovação cientifica e tecnológica, promoção comercial e esforço exportador e credito e financiamento.

Dentre as principais vantagens da criação dos APLs podemos citar o conhecimento compartilhado na obtenção dos mesmos clientes, mão de obra, vantagens na logística de transporte acesso facilitado a mão de obra especializada com custos reduzidos, cooperação institucionalizada, propriedade de áreas com qualidades agrícolas superiores associadas com vantagens logísticas, acesso de serviços e bens públicos, disponibilizados de forma comerciáveis, por cooperação informal, por cooperativismo institucional ou por entidades governamentais.

Histórico

O Brasil começou a se desenvolver no cultivo de flores nos anos setenta, devido ao crescimento populacional nas principais capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro, aumentando a demanda por plantas e flores ornamentais, formando os primeiros aglomerados de produção com a participação de pequenos proprietários rurais nos estornos dos grandes centros urbanos.

Em nosso Estado a floricultura teve inicio em meados de 1950, com os primeiros colecionadores de orquídeas e pequenos agricultores. A colonização do Estado principalmente na Região Serrana, advinda da Europa incorporou o gosto pelo cultivo de flores, que pode ser observado em qualquer pequena propriedade desta região, em seus jardins floridos e entorno de suas residências. Estes emigrantes desenvolveram alguns cultivares trazidos de seus paises de origem, e foram incorporando outras encontradas em nossas matas nativas como Bromélias, orquídeas,Samambaias, etc. Não possuímos contudo uma tradição no cultivo comercial de plantas ornamentais, apenas a partir da década de setenta, alguns produtores começaram a levar estas pequenas quantidades de flores produzidas em seus jardins para comercialização em feiras, da mesma forma que ocorreram em todos os centros em desenvolvimento no País.

Em 2000 foi realizada a primeira reunião para formação de uma associação de produtores de flores no Município de Santa Tereza, onde produtores de vários Municípios formaram a Associação Capixaba de Produtores de Flores e Plantas Ornamentais, que foi o ponto de partida para o Plano de Desenvolvimento da Floricultura do Estado do Espírito Santo, implantada pelo Governo do Estado a partir de 2003. Com o incentivo do Órgão publico Estadual outras Associações surgiram nos Municípios de Santa Maria de Jetibá e Domingos Martins, com adesão de produtores rurais de Santa Leopoldina.

A atuação do Sebrae em meados de 2004 começando a fomentar a implantação de um Arranjo Produtivo Local (APL) a nível regional consolidou em 2005 a formação da Cooperflores – Cooperativa dos Floricultores do Espírito Santo. Atualmente o trabalho de envolvimento dos atores da cadeia produtiva do ramo de produção de flores do Estado, busca o fortalecimento do setor, através de capacitação, gestão e principalmente a consolidação deste Arranjo Produtivo Local.

A FLORICULTURA NO BRASIL

A floricultura nacional tem tido um grande desenvolvimento nos últimos anos. Atingiu no ano de 2000 o movimento de R$1,5 bilhões de Reais. Quarenta mil empregos diretos são oferecidos nos diversos elos de sua cadeia produtiva, desde a produção passando pela comercialização e utilização destas fores pelos artistas florais. Sendo seu número aumentado nos períodos festivos do calendário brasileiro: Páscoa, Dia das Mães e dos Namorados, Finados, Natal e Ano Novo. Nestas épocas crescem em mais de 12.000 pontos de venda de flores e plantas ornamentais, gerando um aumento de 100% na força de trabalho necessário.

Também nas exportações a floricultura nacional se faz presente, contribuindo em 1999 com cerca de US$ 13,1 milhões na balança comercial brasileira.

A variedade dos gêneros e espécies das flores do Brasil fez com que alguns deles fossem incluídos em um programa específico de exportação. Com uma pesquisa focada no crescimento das flores brasileiras no mercado externo, o Instituto Brasileiro de Floricultura – IBRAFLOR, Campinas-SP, através da Agência de Promoção e Exportação – APEX, lançou um Programa Setorial Integrado de Promoção e Exportação de Flores e Plantas Ornamentais, chamado FLORA BRASILIS. Sua principal atribuição e a formação, capacitação e treinamento de mão-de-obra, bem como certificação com “Selo de Qualidade Nacional”. Com isso, pretende-se criar volume de produção como forma de garantir a participação do país no mercado internacional.

A FLORICULTURA NO ESPIRITO SANTO

O Estado do Espírito Santo encontra-se num dos pólos criados do flora brasilis, sendo considerado “Referência Nacional” na produção de Orquídeas, cuja tradição se acumula desde os anos 50.

Com o objetivo de estimular a criação e ampliação deste pólo no Espírito Santo, implantou-se o Projeto de Fortalecimento das Pequenas Propriedades da Região Centro Serrana do Espírito Santo, por esforço do SEBRAE-ES, do Governo estadual e de associações de produtores.

A meta é elevar o volume de vendas de flores e plantas ornamentais em 40% até o final de dezembro de 2007. Participam do projeto 80 produtores, distribuídos em diversos municípios do Estado.

A capacitação dos produtores, tanto na área de produção quanto no setor de comercialização, constitui uma preocupação constante. Afinal, os floricultores capixabas não tem uma cultura empreendedora, nem possuem visão de mercado. Apresentam, porém, disposição e vontade de progredir no agronegócio de flores.
Alem de capacitar produtores e a cadeia produtiva, o Sebrae deu mais um passo para estimular esta cadeia produtiva: foi elaborado o primeiro Catálogo de Flores e Plantas Ornamentais do Espírito Santo. Neste catalogo, estão as principais espécies produzidas no Estado, como antúrios, helicôneas, copos-de-leite, folhagens dentre outros.
As orquídeas capixabas ganharam destaque em suas paginas. Com mais de 650 espécies naturais, encontradas em vários municípios, foram contempladas neste catalogo. Essas espécies serão registradas no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), para que venham a ser reconhecidas no mercado como orquídeas do Espírito Santo, o que contribuirá não só para valorizar a comercialização local, como também para estimular estudos, pesquisas e cultivo em escala comercial.

O Espírito Santo já conta com 104 produtores identificados de 14 municípios- Castelo, Conceição do Castelo, Divino São Lourenço, Domingos Martins, Guaçuí, Ibatiba, Iúna, Laranja da Terra, Linhares, Marechal Floriano, Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, Santa Teresa e Venda Nova do Imigrante, que destinaram uma área total de mais de 160 mil hectares ao cultivo de Flores e Plantas Ornamentais. Até o final de 2008, a previsão é de que haja um crescimento de 67,6%, o que representará uma expansão de quase 45 mil hectares.
No ano passado, a produção total atingiu mais de R$ 4 milhões. O principal canal de comercialização é o próprio produtor. Cerca de 29,9% das vendas são feitas diretamente para o consumidor. As floriculturas correspondem a 22% das vendas dos produtores, enquanto os decoradores respondem por outros 15,7%. Copo de leite, Rosa e Gérbera são as principais espécies de flores cultivadas no Espírito Santo.

As áreas de plantio mais significativas estão nos municípios de Linhares (96,80 Hectares de produção extensiva de gramas), seguido por Marechal Floriano (14,58Hectares.), Guaçuí (10,24Hectares), Santa Tereza (9,58Hectares), Santa Maria de Jetibá (8,38hectares), Domingos Martins (7,78Hectares) , Venda Nova do Imigrante (6,74hectares) e Santa Leopoldina (1,5 hectares).

Nos municípios de Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, Santa Teresa e Domingos Martins dispõem de uma area de 1.429,27 hectares, sendo que desse total apenas 27,24 hectares estão sendo cultivado com flores e plantas ornamentais (Figura1) o que equivale a 1,9% da área total.

O Estado do Espírito Santo vem apresentando notáveis índices de crescimento econômico, que redundam em notáveis reflexos positivos sobre o potencial de consumo das famílias capixabas. Sob essas condições, o cenário aponta-se como promissor ao aumento do consumo de flores e plantas ornamentais, quer no âmbito domestico, quer nos cerimoniais, recepção e toda sorte de oportunidades de encontros e convívios sociais.

Devido às condições climáticas e ecológicas diversificadas, o Espírito Santo pode explorar, com sucesso, tanto a floricultura tropical e subtropical, quanto aquela de características marcadamente temperadas. No campo desta ultima categoria, recaem as flores preferidas, mais consumidas e conhecidas em todo o mundo e também no território capixaba, assim mostram especiais potenciais de crescimento, as ofertas locais de flores de corte como rosas, gérberas, crisântemos, lisianthus, boca-de-leão, hortênsias, copo-de-leite, Amarílis, gladíolos e lírios.

A produção de flores envasadas também deverá mostrar crescimento promissor e favorecer e entrada mais agressiva no próprio Estado. Entre essas, as que mais apresentam potencial imediato para o produtor local são: begônia, ciclamens e gérbera, especialmente porque alguns produtores locais já incorporam informações tecnológicas e experiências práticas na condução dessas culturas. Na área desse segmento especifico de mercadorias, cabe destacar duas situações particulares importantes: a) a praticamente ausência de iniciativas comercias de produção de muitas flores envasadas que hoje já se tornaram moda e são abundantemente consumidas em alguns pólos importantes de consumo, como, por exemplo: lírios, impatiens (maria-sem-vergonha, ou beijinho), celosias ( cristas-de-galo), cravinas etc.; b) as limitações do crescimento impostas pelo mercado sobre algumas espécies, e que deve exigir do produtor muito critério e ponderação, entre as quais se destacam especialmente os crisântemos em vasos e as orquídeas.

Da mesma maneira, o setor mais especificamente voltado ao paisagismo e á jardinagem, tanto amadora, quanto profissional, mostra forte potencial de expansão local e regional, impulsionado especialmente pela pujança do desenvolvimento da indústria da construção civil.

O perfil dos atuais produtores de flores e plantas ornamentais do Estado, de acordo com as dados recentes mostram que : 55,8% são do sexo masculino., faixa etária predominante varia entre 30 e 50 anos: 46,1%. Apenas 4,8% declararam ter mais de 60 anos. Cerca de 45,2% dos floricultores declaram que a produção de flores é sua única fonte de renda, e uma grande parte começou a trabalhar há pouco tempo nessa área: 39,4% afirmaram trabalhar com floricultura há menos de 10 anos. Quase 70% dos entrevistados residem nas propriedades rurais e mais de 40% possuem escolaridade acima do ensino médio completo, sendo que 12,5% são de nível superior.

A consciência coletiva também parece ser uma constante entre os floricultores. Mais de 61% declararam pertencer a pelo menos uma associação ou cooperativa de produtores. A mão-de-obra empregada na floricultura ainda é basicamente familiar: corresponde a 64%.

A FLORICULTURA EM SANTA LEOPOLDINA

No caso especifico do município de Santa Leopoldina, segundo a Hórtica Consultoria e Treinamento a área total destinada ao cultivo de flores e plantas ornamentais e de 115 hectares, sendo que apenas 1,5 hectares estão ocupados com a atividade o que equivale a 1,3% da sua área total. Comparado com os demais Municípios vizinhos podemos ver, que a atividade tem muito a crescer. As principais flores produzidas no município são os antúrios, as orquídeas seguidos das palmáceas, e plantas em vaso como petúnias, boca de leão, impatiens, vinca, etc.
O município possui uma grande diversidade devido a sua topografia e seu clima, o que facilita a produção de varias espécies de cultivos de flores e plantas ornamentais. Além de outro fator bastante significativo que é a proximidade da Grande Vitória que é o maior mercado consumidor do Estado. Uma característica marcante da atividade é o fato dela poder ser explorada em pequenas frações de áreas das propriedades. Indo além do tamanho da área do quintal, chácara, sítio e fazenda; é conduzida principalmente pelas mulheres, que sempre tiveram o hábito de plantar flores e plantas ornamentais no entorno de suas moradias fato comum no município devido a sua forma de colonização.
No Município de Santa Leopoldina, a Prefeitura Municipal através da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, em conjunto com o Sindicato dos trabalhadores rurais, e SEBRAE, vem tentando alavancar atividade com a formação de profissionais e produtores.
A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente treinou durante o ano de 2006 um técnico com a colaboração do Sebrae, e já esta em andamento a confecção do Plano Estratégico de Implantação e Desenvolvimento da Floricultura no Município de Santa Leopoldina.
Outro ator importante que veio somar no ano de 2007 é o Banco do Brasil, que esta desenvolvendo um projeto de Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS) para o cultivo de flores no Município.
O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santa Leopoldina vêm em parceria com a FETAES – Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Espírito Santo, com recurso do MDA, vem participando com jovens no Consorcio da juventude, onde os mesmos participam de um curso juntamente com outros jovens da região serrana sobre implantação de viveiros de plantas ornamentais com intuito de inseri-los no ramo produtivo, formar grupos produtivos regionais para melhor atende-los com informações, assistência técnica e melhor atendimento para busca de mercado.
As principais dificuldades para o desenvolvimento da atividade no Município de Santa Leopoldina esta ligada a organização dos agentes de desenvolvimento local com falta de maior integração em suas atividades, fato que apenas no ano de 2007 começou a existir. O produtor rural para investir em uma nova produção deve ser estimulado, mas ao mesmo tempo tem que sentir confiança nos agentes, e na continuidade deste incentivo. A falta de informação, recursos financeiros, treinamento, garantia de venda do produto e dificuldade da aquisição de insumos também são obstáculos a serem vencidos.

POTENCIAL PARA CRESCIMENTO NO MUNICÍPIO

No município de Santa Leopoldina podem ser cultivadas espécies de clima temperado, e também de clima tropical dependendo da localização das propriedades, as espécies de clima tropical com o mercado em expansão destacam-se como as melhores para o investimento. Dentre elas podemos citar: Os antúrios que exigem temperaturas entre 25 à 30 º e já são as mais produzidas no Municipio ; as Heliconias com temperaturas entre 14 à 34° e as Alpinas com temperaturas entre 22 à 35°.(LAMAS, 2005)

TRATOS CULTURAIS DE ALGUMAS ESPÉCIES

A produção de Alpinas (Alpina purpurate), Bastão do Imperador (Etlingera elatior), Heliconia(Heliconea SPP),Antúrio (Anturium andraeanum lindl) ,fohagens, gingibre ornamental ,seguem basicamente os mesmo tratos culturais.
Para obtenção de mudas pode-se retirar rebentos das touceiras com bom estado fitossanitários e estes devem ser vigorosos e uniformes para sucesso da cultura. O risoma ,que é uma parte do caule subterrâneo também pode ser secionado e colocado para brotar em fibra de coco ou material semelhante. Também as sementes podem ser utilizadas na propagação da maiorias das espécies de flores tropicais.(lLAMAS,2005)
Par implantação da Cultura deve ser feito o preparo de solo com grade pesada e formação de canteiros de 1 m por 1,5 m e comprimento de até 50 m. No plantio usa-se espaçamento de 1,5 m por 3,0 m por fileira e 1,0 e 2,0 m entre plantas.(LAMAS,2005)

Para colheita das flores,
“(………)deverão ser colhidas quando se apresentarem totalmente abertas. Para as Heliconias ,quando tiverem 3 a 4 brácteas abertas e para os antúrios as flores devem ser colhidas quando a espate estiver toda aberta e a espádice apresentar-se com metade e três quartos do seu tamanho com coloração modificada. Flores colhidas antes ou depois do ponto ,tendem durar menos.”(LAMAS,2005. p.12)

CONCLUSÃO

A Formação de um Arranjo Produtivo Local na Produção de Flores e Plantas Ornamentais, envolvendo a região Serrana de nosso Estado é sem duvida nenhuma a solução para o crescimento deste setor, e vários passos já vem sendo percorridos para esta concretização como citados neste trabalho. Vimos que o aglomerado de produtores, e toda a rede necessária para o desenvolvimento de um APL já existe. Sente-se ainda uma falta de participação dos produtores rurais e agentes municipais na consolidação das ações regionais. O maior envolvimento dos produtores rurais e principalmente dos agentes de desenvolvimento notadamente municipais em parcerias poderia facilitar o desenvolvimento destes arranjos. A atração de mais atores que participem da cadeia produtiva do setor também se faz necessário, já que a dificuldade na obtenção de insumos é real. O Município de Santa Leopoldina deve e pode participar deste APL a nível regional, possuindo todas as características para desenvolver em seu território uma floricultura de alta qualidade, com vantagens estratégicas sobre os demais parceiros, bastando para isso articular seus atores de forma mais eficiente.

REFERÊNCIAS

JUNQUEIRA,Antonio Helio, Levantamento de Informações das Empresas e do Mercado de Atuação do setor de Flores e Plantas Ornamentais do Estado do Espirito Santo.Hortica.Sebrae.Vitória.2007

Governo do Estado do Espírito Santo .Secretaria desenvolvimento de Agicultura.Plano estratégico de desenvolvimento da floricultura do estado do Espírito Santo.Vitória .2003

LAMAS,Alonso da Motta.Floricultura tropical:tecnologia de produção e pós colheita. IN:FESTIVAL DE FLORES DE SANTA TERESA, 2 .,2005. Santa Teresa.curso.2005.

Este Trabalho foi desenvolvido e apresentado pelos alunoJESUEL DOS SANTOS JUNIOR ,NELSON LICHTENHELD e ROBERTO DIAS RIBEIRO na diciplina Fundamentos da Econimia e Administração do Curso Avançado em Gestão do Agronegócio da FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA A EDUCAÇÃO – FAESA
FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITO-SANTAENSE

Sobre Roberto Dias Ribeiro

Idealizador do portal Agro-Capixaba, diretor comercial e sócio fundador.Formado em Gestão em Agronegocio pela FAESA,com especialização em Gestão Ambiental atual Presidente do CBH Santa Maria da Vitória.
Esta entrada foi publicada em Floricultura, Home e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

46 respostas a Um pouco da cadeia produtiva de flores do Espirito Santo

  1. sou tecnico agricola, minha familia mora na zona rural, produtora de café, mas por curiosidade comecei a plantar a flor de copo de leite. Hoje tenho uma grande produçao maas nao tenho comercio para toda essa produçao na regiao local, preciso de contatos, sei que o Espirito Santo só produz 20% do seu consumo, me ajude a vender minha produçao.

    Agradeço a atençao

    ELIOMAR PAULINO DE AMORIM

    IBATIBA 17/07/08

  2. Esse comenterio é para Roberto.

    Roberto minha produçao é em Ibatiba que fica a 150 km de distancia da capital Vitoria, minha produçao hoje é de 150 a 200 duzias por semana, preciso de ajuda estou perdendo 90% da minha produçao

    desde já obrigado

  3. aline teixeira dutra disse:

    preciso de números de telefone de vendedores de rosas.

  4. Veronica Maria Ramos disse:

    Sou decoradora de eventos, moro município da serra, e estou precissando de fornecedores de flores, que tiver interesse em me fornecer agradeço.

  5. veronica tenho tel de alguns fornecedores posso mandar por email para vc caso queira ,o Eliomar Paulino é um deles produz Copo de Leite.
    Abraços

  6. Presciso c/ urgencia nomes de flores nativas do nosso estado E.S., pois presciso entregar um trabalho escolar.
    Gostaria de todos os nomes que puder de flores e se possível fotos p/ imprimir.Se puder me ajudar, vou ser muito grata.Consegui achar sobre orquideas e bromélias, há alguma outra nativa do nosso estado???
    Por favor, me mande a resposta c/ urgencia.
    Desde já, agradeço,
    SURAMA RENATA F. GALTER

  7. Renata não sei se temos trabalhos disponiveis de plantas especificas em nosso estado,porem sabemos que muita plantas pertencentes a Mata Atlantica estão entre estas já que o nosso Estado e cortado por esta Floresta.Dentre as existentes da mata atlantica temos algumas variedades de orquideas e bromelias que são endemicas,podemos tambem citar as Marantas e muitas variedades de Heliconias.

  8. vanessa disse:

    Sou colecionadora de anturios, mas na minha regiao( MG )
    nao consigo variedades. Voce conhece alguem que venda mudas e que possa ser enviadas pelo correio? Sei que o ES é um grande produtor de anturios, mas nao sei onde encontrar. Estou começando uma coleção de platycerium e orquideas tambem, mas na minha cidade cada muda esta no valor de 22,00 cada, conhece alguem que venda mudas mais baratas.
    Nao precisa estar florindo, podem ser pequenas.Obrigada Vanessa

  9. Ola vanessa
    Temos muitos produtores e variedades tente contato com Ofelia 27 9953 5852 ou Adelson 27 99299878 Moacir 27 9974 6912 todos eles trabalham com anturios.qualquer duvida volte a perguntar.

  10. Olha ai gente ,tenho muita experiencia no cultivo de Plantas e flores ornamentais.Executo trabalho de estudo da cadeia produtiva e faço consultoria para atuais e futuros produtores, tanto dentro como fora da porteira.

  11. Clodoaldo B. Santos disse:

    Roberto D. Ribeiro, tenho um sítio em Sairé-PE, e pretendo cultivar flores de clima temperado, pós na cidade visinha, Gravatá, já existem produtores dessas flores, só que eles não dão consultoria. Como você poderia ajudar? clodoaldocads@hotmail.com

  12. Silvia Helena disse:

    Gostei muito da matéria que saiu hoje na Globo – Pequenas Empresas&Grandes Negócios, sobre plantação de flores ornamentais.
    oro em Volta Redonda e gostaria de saber como iniciar uma plantação de banaeira ornamental e outras.
    Onde fazer um curso para iniciantes? Como conseguir informações de modo em geral.

    Muito obrigada
    Silvia Helena – (24) 3342-54789

  13. Bom dia Silvia
    Tambem vi a reportagem,aquyi no estado do ES. já estamos desenvolvendo um trabalho semeljant5e com produção de flores tropicais, e de outros climas já que possuimos varias temperaturas e altitudes .Voce pode conseguir se arientar melhor através do SEBRAE de seu Estado no Rio existe um programa semelhante aquele implantado na reportagem.Eu tambem faço consultoria nesta área pois trabalhei mais de 5 anos com produção de flores e tenho formação na area de gestão em agronegocio.Caso tenha enterece posso fazer uma consultoria para isso é só entrar em contato comigo.Eamil robertodias@agrocapixaba.com.br

  14. miqueias tinoco dos santos disse:

    Boa tarde

    gostaria de saber se alguem conhece fornecedores de anturio e copo de leite em Venda Nova do Imigrante, vou casar em 04/04 deste ano e gostaria de saber se alguem aq tem estas plantas, aliaz poderia estar vendendo aqui ja que tem casamento aq toda semana, um abraço e preciso de telefones.

  15. Boa Tarde Miqueias
    Olha nas publicações anteriores que tem o nome e tel de alguns produtores,caso eles não tenham o que procura podem te indicar alguem.OK
    Espero ter te ajudado.

  16. Mariana disse:

    Tenho interesse em copo de leite e rosas rosas onde consigo que seja próximo de Vitória?

  17. Mariana vc deseja comprar copo de leite e rosas. O mais proximo de Vitória é em Santa Tereza existem varios produtores ,na entrada da cidade esta um de copo de leite tango e agora tambem crisantemos.A viagem vale a pena pois o lugar tambem é lindo. Mais informações com o Incaper de santa tereza. Procurar o Carlos Sangali, que ele pode te fornecer tel de contatos dos produtores,que inclusive entregam em Vitória duas vezes por semana
    Fone Incaper (027)32591312

  18. Gostei muito das informações, tenho uma propriedade em Campos dos Goytacazes – RJ. e predendo cultivar flores ornamentais. Preciso de informações de como iniciar tal cultivo,pois não há essa cultura na minha cidade.

    Desde já,agradeço
    Sonia Maria Masciel

  19. Bom dia Sonia
    Voce deve procurar o SEBRAE em seu Estado,acredito de em Campos deva ter um escritorio, que eles trabalham com o desenvolvimento desta cultura em todo o Pais.

  20. Delnir Faria disse:

    Bom Dia Roberto,
    Tenho uma demanda de arvores nativas da Mata atlantica para recuperaçao de Mata ciliar na bacia do Rio Novo, gostaria de sua ajuda/informaçao para atender este trabalho do grupo ambientalista..
    Obrigado
    Delnir
    28-99179005

  21. Bom dia Delnir
    Tambem tenho demanda de arvores nativas para recomposição de areas de compensação e hoje a dificuldade de conseguilas é enorme visti que no estado só contamos com o viveiro da Vale de Linahrees com produção em quantidade e diversificada. É URGENTE que se faça um movimento junto ao IEMA para a construção de viveiros nos municipios para que possamos atender a demanda.Tenho inclusive um projeto de captação de recurso para construção pronto, que posso disponibilizar, para que juntos possamos buscar estes recursos,atualmente estou chefe de divisão da prefeitura de Santa Leopoldina e podemos implantar este viveiro aqui ou em outro Municipio que tenha interesse e disponibilidade genetica para coleta de sementes, que tambem pode ser feita em diversos municipios.

  22. silvana disse:

    sou de rio novo do sul estou com duvidas sobre como podar minhas rodas,tem uma base de 100 mudas .como fazes

  23. Marcelo Moura disse:

    Olá, Gostaria de informações sobre entrega de rosas e copo de leite em Vila Velha ou Vitória, alguém conhece algum fornecedor que possa me passar o n° do telefone. Desde já agradeço. Marcelo.

  24. Ola Marcelo desculpe a demora mais vai ai mais alguns fornecedores de flores no ES alem dos já citados.
    Sitio Flor da Serra (27)8121-9030/9031
    Sitio Armani – (27)3736-5181/9973-6165 (Alice)
    Vale das Flores -(27)9974-6912 (moacir)
    Todos fazem entrega na Grande Vitória e tem grande variedade de flores dentre rosas,copo de leite,tango,tropicais,etc.

  25. Bom dia! Faço Arranjos de maideiras com bromelias e estou necessitando urgente de fornecedores de bromelias que possam me fornecer Neoregélias e Aechmeas. Interessados favor entrar em contato pelo e-mail: romulocbraga@uol.com.br. Obrigado,

  26. Bom dia! Faço Arranjos de madeiras com bromelias e estou necessitando urgente de fornecedores de bromelias que possam me fornecer Neoregélias e Aechmeas. Interessados favor entrar em contato pelo e-mail: romulocbraga@uol.com.br. Obrigado,

  27. Rejany Strelo disse:

    Bom Dia!!!

    Roberto

    Estou precisando de telefones de fornecedores de flores que fiquem proximo a cariacica,será qu você tem algum que possa me ajudar???
    Att.:
    Rejany

  28. MEU NOME É ELIOMAR SOU DE IBATIBA,SOU FORNECEDOR DE FLORES HORNAMENTAIS.
    CASO ESTEJA PRESCISANDO DE FLORES ENTRE EM CONTATO; ELIOMARPAULINO@HOTMAIL.COM OU POR TELEFONE; 28 9926-8035 ;28 3543-0414

  29. Marcionez disse:

    Olá pessoal.

    Gostaria de fornecer papel para embrulho de diversos tamanho, papel de seda e papel brayte otimo para embrulhas flores e frutas o melhor preço do mercado.

  30. Marcionez disse:

    Papel para embrulhar flores e frutas de diversos tamanho cubro qualquer oferta do mercado confira. Email: marcionezjb@yahoo.com.br – (27)88215147

  31. lais disse:

    boa noite,gostaria de receber telefone de fornecedor de hortência azul.Estou presisando com urgencia.

    SEm mais, obrigado

  32. Bom dia Lais
    se vc estiver aqui no ES, tente conseguir com a Irinéa tel (27)98211675

  33. Prezado, sou designer de interiores especializada no desenvolvimento de produtos com a utilizaçao de materias primas naturais renovaveis e tecnicas artesanais com produçao comunitaria. Visando a sustentabilidade economica, atraves da geraçao de renda e identidade regional.
    Atualmente estou pos granduando paisagismo na UFLA e gostaria de saber mais sobre o projeto comentado acima sobre um viveiro de plantas nativas ornamentais da mata atlantica e restinga.
    Na certeza de ser atendida, agradeço desde ja.
    Cordialmente,
    Angela Nespoli
    http://WWW.angelanespoli.com
    http://www.angelanespoli.blogspot.com
    27 81257711

  34. MARILANE disse:

    oi sou do sul do estado,mimoso do sul é minha cidade,estou trabalhando com flores naturais,sou iniciante no ramo ,preciso de indicações de fornecedores,que venham na minha cidade,agradeço a sua atenção

  35. Estevao Lugon disse:

    Caros,

    Sou produtor de copo de leite na região de Marechal Floriano e gostaria de escoar minha produção. Quem tiver interesse por favor entre em contato pelo e-mail elugon@terra.com.br

  36. Gostaria de comprar mudas de bastão do imperador, nas cores branca ou amarela. obrigada
    Eliane
    61-8418-0937

  37. Simone disse:

    Boas!
    estou iniciando nesse ramo de decorações, e gostaria de saber sobre, como conseguir rosas, e outros tipos de flores para decorações.

    aceito opiniões sobre decorações.

  38. Simoni
    Nos comentarios acima vc vai encontrar alguns fornecedores .Tem tambem o gilmar em santa teresa tel (27)32591941 quanto a tipos de decoração ministro cursos nesta Design floral,posso dar um acessoramento se nescessário.

  39. Vera disse:

    Bom dia! Gostaria de começar a cultivar orquídeas, antúrios e bromélias, onde posso conseguir matrizes para tal finalidade. Desde já agradeço.

  40. Claudina disse:

    Bom Dia. Achei muito interessante, o trabalho de voces, pego Copo de Leite com valceni ai de Corrego Frio, mais tenho muito necessidade de obter mais flores como gipson lisianthus e rosas.
    Se puder me ajudar
    meu tel 27 304530052/33867422
    ClAUDINA

  41. Priscila disse:

    olá, boa noite!

    Estou precisando comprar flores da época (março) para ornamentar meu casamento (que será ao dia) também procuro por coqueirinhos ou bambuzinhos também para o casamento. Alguém pode me ajudar?

    desde já, agradeço

    Priscila

  42. Evaldo disse:

    tenho interesse em comercializar flores principalmente o Copo de Leite. Favor entrar em contato.

  43. Nocymar Oliveira Silveira disse:

    Olá, Gostaria de informações sobre entrega de rosas em Vila Velha, alguém conhece algum fornecedor que possa me passar o n° do telefone?
    Pretendo iniciar uma revenda (ainda informal)aqui em aqui em Vila Velha.
    Desde já agradeço. Nocymar.

  44. Lucely de Maria disse:

    Olá,gostaria de informações sobre fornecedores de mudas de bastão do imperador BRANCO OU AMARELO,moro numa cidade vizinha de Fortaleza -CE estou começando minha pequena coleção em plantas tropicais, quem sabe se no futuro eu não seja uma produtora de flores tropicais aqui.

    Atenciosamente
    Lucely.

  45. Veronica Ramos disse:

    Olá Roberto gostaria sim que me passase o nº do telefone do Eliomar Paulino e de outros que vc tiver.
    Grata.
    Veronica

  46. Veronica Ramos disse:

    Roberto desculpa pedir os numeros novamente, pois não tinha lido as respostas anteriores,já fiz a varredura,rsrsrsrsr
    obrigada
    Veronica

Os comentários estão encerrados.